Olhe para baixo – existe uma lacuna – a necessidade de incluir o solo dados na restauração da Mata Atlântica
20 de setembro de 2018

A consideração dos indicadores de qualidade do solo é fundamental para a compreensão e gestão dos ecossistemas. Apesar da evidência sobre a importância do solo para a provisão de serviços ecossistêmicos locais e globais, como a regulação da água e do sequestro de carbono, o solo continua a ser um aspecto sub-investigado e neglicenciado nos estudos sobre restauração. Aqui nós avaliamos até que ponto indicadores de solo são levados em conta na restauração. Nós nos concentramos na Mata Atlântica brasileira, um bioma altamente fragmentado e um hotspot global de biodiversidade. Realizamos uma revisão sistemática da literatura e mostramos que a maioria (59%) dos estudos sobre restauração não consideraram nenhum indicador de solo. Estudos que demonstraram a importância dos indicadores do solo, em sua a maioria reportaram o pH do solo (71%, n = 44), seguido pelo teor de potássio (66%, n = 41) e fósforo (64,5%, n = 40), enquanto o indicador menos reportado foi a retenção de água (6,5%, n = 4). Apenas 40% dos estudos recuperados incluíram informações sobre sites de referência ou informações de linha de base do projeto. Complementamos nossa revisão de literatura com um estudo de caso sobre restauração em duas áreas de Mata Atlântica. Encontramos uma relação entre indicadores de solo como matéria orgânica do solo, nitrogênio, sódio e conteúdo de areia e indicadores acima do solo, confirmando a necessidade de incluir a seleção do solo na restauração. Além disso, nós descobrimos que, antes da restauração, nenhum desses indicadores de solo foi analisado. Este estudo destaca a lacuna existente em dados do solo na restauração em estudos sobre a Mata Atlântica brasileira. Nós pedimos aos cientistas e praticantes que incluam a análise básica do solo para maximizar os resultados da restauração.

Download PDF


< Anterior Próximo >
Voltar para Publicações